Acesse a Plataforma MADAE

Acesse a Plataforma MADAE
Curso Afro-Pará

EXPOSIÇÃO "ÁFRICA: OLHARES CURIOSOS", Hilton Silva

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

A defesa dos direitos humanos mobiliza escola Costa e Silva

Nesta quarta, dia 19 de novembro, a Escola Estadual de Ensinos Fundamental e Médio Presidente Costa e Silva promoveu no auditório do II Batalhão de Infantaria de Selva do Exército Brasileiro (2º Bis), localizado ao lado da escola, o debate "Preconceito e discriminação: a violação de direitos humanos no século XXI", reunindo estudantes, professores/as, gestores/as e representantes de diversos órgãos numa conversa ao estilo de bate-papo, o que agradou muito os/as participantes, sobre os esteriótipos e representações sociais presentem no imaginário da sociedade brasileira e que se expressam nas mais diferentes formas de preconceito.
Professora Polyanna Farias
na abertura do evento
A escola Costa e Silva desenvolve de 2010 o Programa Ensino Médio Inovador (Proemi), que visa promover inovações pedagógicas articuladas às dimensões do trabalho, ciência, tecnologia e cultura, assegurando ao estudante a formação para o exercício da cidadania, Nesta visão, a escola implementou as determinações da Lei 10.639/2003, que institui o ensino da história e cultura africana e afro-brasileira na Educação Básica.
Hoje a escola conta com pelo menos dois projetos. Um de iniciação científica chamado "Discutindo as relações étnico-raciais: o negro no Pará", que atua na abordagem da realidade de comunidade quilombolas do estado e já realizou pesquisa de campo nos quilombos de Espírito Santo e Paraíso, localizados no município de Acará. O outro projeto é o Laboratório de Cidadania, que promove formações sobre os direitos humanos, civis, políticos e sociais.
O debate cumpriu seu objetivo de propiciar à comunidade escolar reflexões críticas sobre as relações étnico-raciais com foco na violação dos direitos humanos expressos em preconceito e na discriminação racial.
Participaram como debatedores a defensora pública Felícia Fiuza (Defensoria Pública do Estado do Pará), a advogada Rosa Corrêa (Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos), o professor Vanderlei Pinheiro (Conselho Municipal do Negra e da Negra), o professor Tony Vilhena (Coordenadoria de Educação para a Promoção da Igualdade Racial da SEDUC) e a professoras Núbia Moraes e Polyanna Farias, que representaram a escola.
Participação interessada pelos temas trabalhados

Nenhum comentário:

Postar um comentário