Acesse a Plataforma MADAE

Acesse a Plataforma MADAE
Curso Afro-Pará

EXPOSIÇÃO "ÁFRICA: OLHARES CURIOSOS", Hilton Silva

terça-feira, 24 de novembro de 2015

Expansão do Projeto "A Cor da Cultura" na Rede Estadual de Ensino.



Em 2013, a Secretaria de Estado de Educação celebrou Termo de Cooperação Técnica com a Fundação Roberto Marinho para implantação do Projeto “A cor da Cultura” na Rede Estadual de Educação nos municípios de Belém, Castanhal, Tucuruí e Parauapebas totalizando 720 educadores formados como facilitadores do Projeto. Sendo que em Belém também foram destinadas vagas à Rede Municipal - SEMEC. Na ocasião, participaram da formação educadores, técnicos, professores e gestores que atuam nas escolas, na sede da secretaria e em suas unidades regionais (URE's e USE's).

Para 2015, como estratégia para alcançar todas as áreas da região metropolitana de Belém para cada USE foi disponibilizado 4 vagas para duas Escolas, ou seja, esta devia escolher dois representantes de cada Escola totalizando 40 Escolas da região metropolitana.

O 1º momento de formação de facilitadores aconteceu nos dias 19 e 20 de novembro de 2015 no Auditório do CCSE/UEPA onde se fizeram presentes nos dois dias de formação uma média de 60 (sessenta) educadores.


No dia 20 de novembro de 2015, no encerramento da Programação foram entregues 32 (trinta e dois) kits educativos para as Escolas. Conforme quadro abaixo:




USE
NOME DA ESCOLA
1
USE 01
EEEF PRATINHA II
2
USE 01
EEEF NOSSA SENHORA DE FATIMA I
3
USE 02
EEEF BOCA DO ACRE
4
USE 02
EEEIF PROFA EMILIANA SARMENTO FERREIRA
5
USE 03
EEEF SANTA MARIA DE BELEM
6
USE 03
EEEF JOSE VERISSIMO
7
USE 04
EEEF STELIO MAROJA
8
USE 05
EEEFM RODRIGUES PINAGE
9
USE 05
EEEF DR JUSTO CHERMONT
10
USE 06
EEEFM PROF VIRGILIO LIBONATI
11
USE 07
EEEF PAULO MARANHÃO
12
USE 07
EEEM ALEXANDRE ZACHARIAS DE ASSUMPÇÃO
13
USE 08
EEEFM CORNELIO DE BARROS
14
USE 09
EEEF RUTH PASSARINHO
15
USE 09
EEEF SANTO AGOSTINHO
16
USE 09
EEEFM PAULINO DE BRITO
17
USE 10
ERC EF NOSSA SENHORA DO CARMO
18
USE 10
EEEF BENEDITO MONTEIRO
19
USE 11
EEEF PROF SANTANA MARQUES
20
USE 12
EEEFM PROFA MARTA DA CONCEICAO
21
USE 12
EEEFM TEODORA BENTES
22
USE 13
EEEF BRASILIA
23
USE 13
EEEF NOSSA  SENHORA DE FÁTIMA II
24
USE 14
EEEF CLUBE DE MAES JARDIM JADER BARBALHO
25
USE 14
EEEFM RAIMUNDO VERA CRUZ
26
USE 15
EEEF LUCY CORREA DE ARAUJO
27
USE 18
EEEFM NOVO HORIZONTE
28
USE 19
EEEFM GENIPAUBA
29
USE 19
EEEF INGLES DE SOUZA
30
USE 20
EEEFM DR OTAVIO MEIRA
31
USE 20
EEEM PROF JOSE EDMUNDO QUEIROZ
32
CEJA/SAEN
UNIDADE PENAL DE PROVISÓRIOS DE ICOARACI

O kit educativo do Projeto é composto de:

  • 5 (cinco) cadernos pedagógicos, sendo: caderno 1 – fundamentação teórica; caderno 2 – orientação metodológica e utilização pedagógica de materiais; caderno 3 – atividades: saberes e fazeres (propostas de atividades); caderno 4 – modos de fazer: caderno de atividades, saberes e fazeres; caderno 5 – modos de brincar: caderno de saberes, fazeres e atividades;
  • 09 (nove) caixas com DVD's contendo os programas Ação, Nota 10, Mojubá, Livros Animados e Heróis de Todo Mundo, produzidos no âmbito do Projeto;
  • 1(um) CD contendo a descrição de instrumentos afro-brasileiros e ritmos de matriz africana, intitulado “Gonguê”;
  • 1 (um) jogo educativo “Heróis de todo o Mundo”.
  • 2 (dois) glossário de palavras de origem africana utilizadas no cotidiano brasileiro e de origem indígena.
  • 3 mapas (África, Diáspora Africana e Valores Civilizatórios Afrobrasileiros); 

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Mulheres negras em marcha: racistas não passarão!

Mulheres contra Cunha 13 novembro

Na semana da Consciência Negra, cerca de 50 mil mulheres negras de todo o Brasil vieram à capital do país para a Marcha das Mulheres Negras contra o racismo, a violência e pelo bem viver. Pertencentes a diversas tribos, idades, religiões, movimentos sociais e organizações locais, viajaram horas de ônibus, enfrentaram a pouca estrutura disponibilizada pelos governos e o céu nublado de Brasília para pedir por educação, saúde, segurança e justiça, pautas detalhadas na Carta das Mulheres Negras 2015.

Em Belém, Copir promove Ato Pedagógico e Cultural da Consciência Negra 2015


Ato Pedagógico e Cultural da Semana da Consciência Negra 2015
Domingo, 22 de novembro de 2015
Início às 9h
Praça da República
Belém/PA

terça-feira, 17 de novembro de 2015

Formação sobre Educação Escolar Quilombola no Acará



Momento de entrega dos certificados

De 09 a 11 de novembro de 2015, a pedagoga Carla Reis e o sociólogo Tony Vilhena desenvolveram a formação do Projeto Educação, Etnicidade e Desenvolvimento: Fortalecimento de Negros e Negras Quilombolas na Educação Básica pela Coordenadoria de Educação para a Promoção da Igualdade Racial da Secretaria de Estado de Educação do Pará (COPIR/SEDUC), em parceria com a Coordenação de Educação do Campo da Secretaria Municipal de Educação e Comunidade Quilombola de São José, no município de Acará/PA.
Participaram 35 profissionais da educação das Comunidades Quilombolas de São José, Monte Alegre, Trindade, Flechal, Itacoã-Miri, Cruzeirinho e Guajará-Miri. Na oportunidade, foi realizada uma avaliação (veja quadro abaixo) que aponta os avanços e as limitações da implementação da Educação Escolar Quilombola nestes territórios e estudos de textos técnicos.
Também foram realizadas oficinas com os estudantes das escolas “Castelo Branco”, da Comunidade de Monte Alegre, e “Santa Rita II”, da Comunidade de São José. A ênfase das oficinas era reforçar os aspectos da beleza negra, a defesa da identidade de seus “traços fenotípicos” (cor da pele, formatos do rosto, textura do cabelo, etc.) frente aos constantes ataques raciais que impõem o padrão de beleza associado somente às características das pessoas brancas.

QUILOMBOLÊ
Professoras Rosiane Galiza e Mônica Queiroz
Na escola "Santa Rita II" existe o Projeto Quilombolê, que surgiu diante da dificuldade de leitura e reserva as primeiras horas do dia letivo para inserção de literatura que reforcem as identidades quilombolas. Para a professora quilombola Mônica Queiroz, "primeiro devemos falar de nossas histórias, onde a fonte é a própria comunidade, ouvindo as pessoas idosas, usando os recursos da oralidade, resgatando culturas antigas que estavam se perdendo".

QUILOMBOLETRANDO
Professoras Shirley Miranda e Rutecléia Souza
Na escola "Castelo Branco", após reuniões da hora-pedagógica (HP), chegou a conclusão sobre a necessidade de um ação que juntasse os objetivos do currículo com a realidade da comunidade. Assim nasceu o Projeto Quilomboletrando. Segundo a professora quilombola Rutecléia Souza, o projeto se consolidou por "combater a desvalorização dos costumes e mitos locais e por valorizar a beleza negra, incluindo oficinas de tranças, por exemplo".

Mais fotos

Formação do Projeto "A Cor da Cultura" 2015.




Uma das grandes queixas dos profissionais da Educação é que não existem muitos materiais disponíveis que tratem da História da Cultura Africana e Afro-Brasileira, conforme determina a Lei Nº 10.639/03.

O Projeto “A Cor da Cultura” tem por objetivo contribuir para a efetivação da Lei Nº. 10.639/03, que estabelece a inclusão e valorização dos conteúdos sobre “História e Cultura Afro-Brasileira” no Currículo Escolar. Para tanto disponibiliza 01 (um) kit educativo para cada Escola participante do Projeto.

O kit educativo é composto de 09 (nove) dvd´s, 05 (cinco) livros, 02 (dois) glossários de palavras africanas e indígenas, 01 (um) jogo educativo, 01 (um) cd de música, 03 (três) mapas e 01 (um) caderno sobre os “Indicadores da Qualidade da Educação – Relações Raciais nas Escolas”. Um material didático e pedagógico excelente para a Educação das Relações Étnico-raciais.

Para o ano de 2015, cada USE indicará até duas Escolas com dois representantes

A Formação de Facilitadores ocorrerá nos dias 19 e 20 de novembro de 08h as 12h no Auditório do CCSE/UEPA, sito Trav. Djalma Dutra s/n.

Nesse momento, deve-se dar preferência para as Escolas que ainda não participaram da referida Formação e que ainda não receberam o kit educativo.

Entre em contato com sua USE e faça sua pré-inscrição!!!

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Educação sexual ganha espaço em escolas

Cinquenta estudantes de oito escolas da rede pública estadual de ensino da Região Metropolitana de Belém superaram a inibição de discutir um tema tão importante na vida de qualquer cidadão e debateram, no último dia 10, a sexualidade, a partir do programa Saúde e Prevenção nas Escolas (SPE), iniciativa do Ministério da Educação e do Ministério da Saúde em parceria com a Secretaria de Estado de Educação (Seduc PA) e outras instituições. A programação ocorreu no auditório da Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Cordeiro de Farias,no bairro do Souza.

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

UFPA inscreve para vestibular especial para populações tradicionais da Amazônia


Está aberto o período de inscrições para o Processo Seletivo Especial - 5 (PSE5) da Universidade Federal do Pará (UFPA). O concurso oferta 717 vagas em 169 cursos de graduação, distribuídos em 19 municípios paraenses. As vagas são especificamente para candidatos indígenas, quilombolas e interessados no curso especial de Etnodesenvolvimento. 

As inscrições podem ser feitas entre o dia 29 de outubro e o dia 18 de dezembro pelo site do Centro de Processos Seletivo (Ceps). A participação no concurso é gratuita, mas os candidatos devem imprimir, no sistema, o “boleto de pagamento” para comprovar sua inscrição.

Novidades – De acordo com o diretor do Ceps, em exercício, Arquimimo Almeida, há novidades no concurso deste ano. “Planejamos um prazo de inscrição mais longo em razão da necessidade de deslocamento que estes estudantes têm para se inscrever e participar do concurso, já que muitos precisam se deslocar de aldeias e outras comunidades”.
Outra novidade é a flexibilização do curso de Etnodesenvolvimento para o Marajó. “Esta graduação sempre foi ofertada em Altamira, mas os coordenadores do curso avaliaram a demanda de outras comunidades para receber essa oportunidade de ingresso no ensino superior e, por isso, este ano, o curso será ofertado em Soure”, destaca Arquimimo Almeida. De acordo com o diretor do Ceps, a região foi escolhida por causa da presença de populações tradicionais, especialmente descendentes de quilombolas e ribeirinhos.

Vagas especiais – As vagas do PSE–5 são relativas à política de ações afirmativas da UFPA. Das 717 vagas ofertadas, 336 são para candidatos indígenas e outras 336 para estudantes quilombolas. Esses números correspondem a quatro vagas a mais criadas em cada curso de graduação ofertado pelo PS2016 da UFPA. As demais 45 vagas são referentes ao curso de Etnodesenvolvimento, agora flexibilizado para Soure.
A UFPA reitera que todos os candidatos ao PSE–5 precisam apresentar documentos que comprovem seu pertencimento às comunidades tradicionais da Amazônia e ou do Brasil, conforme as regras apontadas no edital.

Datas importantes – Os candidatos poderão acessar seu cartão de inscrição no site do Ceps a partir do dia 05 de janeiro de 2016. A primeira fase do concurso (a prova de redação e língua portuguesa) está marcada para o dia 17 de janeiro de 2016 nas cidades de Abaetetuba, Altamira, Belém, Cametá e Soure. Já a segunda fase (composta por uma entrevista individual com análise do histórico escolar do ensino médio e da declaração de pertencimento) acontece de 2 a 5 de março de 2016.

Serviço:
Inscrições para o Processo Especial - 5 (PSE5) da UFPA
Período: entre o dia 29 de outubro e o dia 18 de dezembro de 2015.
Pelo site do Centro de Processos Seletivo (ceps).
Texto: Ascom / UFPA
Foto: Alexandre Moraes