Acesse a Plataforma MADAE

Acesse a Plataforma MADAE
Curso Afro-Pará

EXPOSIÇÃO "ÁFRICA: OLHARES CURIOSOS", Hilton Silva

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Seminário Nacional sobre Ensino Religioso será na Amazônia

Cartaz VI Conere
O Fórum Nacional Permanente do Ensino Religioso/FONAPER, buscando dar continuidade ao seu objetivo de acompanhar, organizar e subsidiar o esforço de professores, associações e pesquisadores na efetivação do Ensino Religioso na Educação Básica, vem promovendo, historicamente, em anos alternados, seminários nacionais de formação de professores em Ensino Religioso (anos pares) e congressos nacionais de Ensino Religioso (anos ímpares), em parceria com instituições de ensino superior e sistemas de ensino.
Em 2012, o FONAPER organiza, em parceria coma Faculdade Salesiana Dom Bosco (FSDB), Secretaria Municipal de Educação de Manaus (SEMED), Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino do Amazonas (SEDUC) e Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (SEJUS), o XII Seminário Nacional de Formação de Professores para o Ensino Religioso, com o tema Ensino Religioso - área de conhecimento da educação básica: interfaces com a proposta pedagógica da escola.
O XII SEFOPER será realizado nas dependências da Faculdade Salesiana Dom Bosco, situada na Av. Epaminondas, 57, Centro, Manaus/AM, nos dias 13 a 15 de setembro de 2012.

CINE AFRICANIDADE, IMPERDÍVEL!!!

FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES NA 8ª URE (CASTANHAL/PA)

Numa ação conjunta, o Centro Integrado de Educação e Cultura Afro-brasileira (CIECAB) em parceria com a Secretaria Municipal de Educação de Castanhal (Semed), Universidade Federal do Estado do Pará (Ufpa), Associação de Comunidades Quilombolas (Asconq) e Núcleo de Educação para as Relações Etnicorraciais da 8ª Unidade Regional de Educação da Seduc (Nerer) promovem a oficina sobre valores afrocivilizatórios.

Tema: ORALIDADE, A ÁFRICA PRESENTE EM NÓS
Ministrante: Prof. Ms. Rodrigo Santos
Data: 20/06/2012
Local: UFPA - CAMPUS DE CASTANHAL
Endereço: Av. dos Universitários, s/n - Jaderlândia / Castanhal - PA
Fone: (91) 3311-4600 / 3721-2395

Programação
08:00h- Credenciamento
08:45h – Abertura e saudação das Autoridades
09:00h – Oficina: “Oralidade a África presente em nós”
10:00h – Intervalo
10:15h – Continuação da oficina
12:00h – Intervalo para Almoço
14:00h – Dinâmicas de Comunicação - Reflexão
14:20h – Painel de Socialização:A Cultura Africana
               Expositores: alunos Africanos do Programa da UFPa - “Casa Brasil- África”
15:00h – Apresentação do Projeto: “Contos fantásticos: Vida e mediunidade dos Afrorreligiosos
 16:00h – Orientação para Projetos nas Escolas
16:20h – GT`s – Produção de Propostas de ações para as escolas
17:00h – Encerramento – Vivencia Cultural Afroamazonica.

Obs: A Livraria Paulinas fará cadastro de professores/as e venda de livros pedagógicos e contos africanos e afro-amazônicos.
Haverá o lançamento do Edital de Concurso de Fotografia: Africanidades na escola: Orgulho da Identidade étnica

terça-feira, 12 de junho de 2012

Uefa investiga racismo contra Balotelli e tcheco na Euro

Uefa investiga racismo contra Balotelli e Selassie (Agência Reuters)
A Uefa anunciou nesta terça-feira, 12, que intensificará as suas investigações contra supostos cantos racistas ocorridos contra o italiano Mario Balotelli e o tcheco Theodor Gebre Selassie, que são negros, nas respectivas estreias de seus países nesta Eurocopa, contra a Espanha e Rússia. 
A entidade que dirige o futebol europeu informou que recebeu novos relatos sobre o caso e "agora está conduzindo novas investigações". Porém, o porta-voz da Uefa, Rob Faulkner, disse a repórteres nesta terça que "nenhum procedimento disciplinar foi aberto até agora" em relação a este caso. A Uefa prometeu tolerância zero contra o racismo nesta edição da Eurocopa, que está sendo realizada na Ucrânia e na Polônia, mas ressaltou que precisa de evidências claras antes de julgar os casos por meio de seus tribunais.

Estão abertas as inscrições para o VII Congresso Brasileiro de Pesquisadores Negros

A sétima edição do Congresso Brasileiro de Pesquisadores(as) Negros(as) está com inscrições abertas para a modalidade ouvinte, até o dia 15 de julho. O evento será realizado de 16 a 20 de julho em Florianópolis e tem como tema “Os desafios da Luta Antirracista no século XXI”.
O congresso contará com a participação de pesquisadores nacionais e internacionais que discutirão sobre os processos de produção e difusão de conhecimentos ligados às lutas históricas empreendidas pelas populações negras nas mais diversas esferas institucionais e áreas do conhecimento.
A programação contemplará quatro conferências, 15 simpósios temáticos, 25 mesas redondas, 300 trabalhos de comunicações livres, 46 pôsteres de iniciação científica, além de 19 minicursos e oficinas.
Entre as atrações estão conferencistas como Kabengele Munanga, da Universidade de São Paulo (USP), Elika M’Bokolo, da República Democrática do Congo, e Shirley Campbell Barr, da Costa Rica.
O evento contará ainda com exposições de artes plásticas e visuais, festa temática, feira com exposição de livros e venda de produtos afros, performances de dança, música, teatro, capoeira e maracatu, entre outras.
O vice-presidente da Associação Brasileira de Pesquisadores Negros (ABPN) e presidente do VII Congresso, professor Paulino de Jesus Francisco Cardoso, assegura que o evento deverá reunir cerca de mil participantes durante os cinco dias de atividades.
“O objetivo geral do congresso é reunir pesquisadores e pesquisadoras para discutir, apresentar, ampliar e avaliar as ações e estratégias de combate ao racismo, às políticas públicas direcionadas à população negra brasileira e as produções científico-acadêmicas elaboradas nas últimas décadas”, afirma o presidente do congresso.
Para mais informações sobre as inscrições e a programação do VII Congresso Brasileiro de Pesquisadores(as) Negros(as) acesse o site: www.abpn.org.br/copene.
Com informações da Comunicação Copene

Livro sobre festas e comemorações religiosas de quilombos será lançado em Brasília

CNPIR fortalece pauta racial na Rio + 20

Os conselheiros vão divulgar a Carta do Rio de Janeiro, participar da ‘Cúpula dos Povos’ e dos debates nos ‘Diálogos da Sustentabilidade’
CNPIR fortalece pauta racial na Rio + 20
Conselheiros participam da Cúpula dos Povos e de outros debates

A representação da sociedade civil no Conselho Nacional de Promoção da Igualdade Racial (CNPIR) está organizada para fortalecer a inclusão das pautas referentes à população negra nos debates da Rio+20. Entre as estratégias, está a divulgação da Carta do Rio de Janeiro, que debate o desenvolvimento sustentável e a erradicação da pobreza pela ótica do movimento negro. A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável, ou Rio+20, acontece na capital carioca, a partir desta quarta-feira (13) e terá atividades em diferentes locais até 22 de junho.

A Carta é o resultado de um seminário realizado em abril, no Rio, como etapa preparatória da participação dos conselheiros na Cúpula dos Povos. Organizada pela sociedade civil, a Cúpula reunirá organizações brasileiras e de outros países para debater as injustiças sociais e ambientais enfrentadas pela humanidade. “Esperamos que este documento seja instrumento para abrir o diálogo com outros movimentos, em especial os ambientalistas”, explicou Edson França, membro do CNPIR.

No dia 15, os conselheiros participam de reunião para definir a atuação na conferência. Nos outros dias, além da programação da Secretária de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), o CNPIR foi convidado pela Secretaria Geral da República a participar das atividades dos Diálogos da Sustentabilidade. “O objetivo é discutir o racismo ambiental, pois, injustiças ecológicas estão atingindo as comunidades negras”, disse o secretário Executivo do CNPIR, Sérgio Pedro.

Sobre o Conselho
O CNPIR é um órgão colegiado, de caráter consultivo e integrante da estrutura básica da Seppir. O órgão tem como finalidade propor, em âmbito nacional, políticas de promoção da Igualdade Racial com ênfase na população negra e outros segmentos raciais e étnicos da população brasileira. Além do combate ao racismo, o Conselho da Igualdade Racial tem por missão propor alternativas para a superação das desigualdades raciais, tanto do ponto de vista econômico quanto social, político e cultural, ampliando, assim, os processos de controle social sobre as referidas políticas.

Coordenação de Comunicação

terça-feira, 5 de junho de 2012

 
Apresentação
A ideologia racista nasceu na Europa, no final do Séc. XV e se operacionalizou com o tráfico de africanos escravizados nas Américas.     No Séc. XIX, várias teorias racistas pseudocientíficas foram construídas, inclusive em estudos psicológicos e psiquiátricos.
No Brasil, o racismo se estrutura não somente nas relações interpessoais, mas, sobretudo, nos espaços institucionais, impedindo o acesso dos(as) negros(as) aos bens públicos.
As últimas edições do Congresso Nacional de Psicologia (CNP`s) têm pautado a questão racial como uma das temáticas necessárias para a psicologia brasileira.
Neste sentido, precisamos debater, investigar e intervir nos aspectos subjetivos envolvidos nos processos identitários e o sofrimento psíquico decorrente das práticas racistas.

Data: 15 de junho de 2012 (sexta-feira)
Local: Unama (Alcindo Cacela) / Auditório David Muferrej
Informações: (91)32246322 / 88143699

Programação do Seminário (clique em Mais Informações)

AFROPARÁ EM SANTANA DO ARAGUAIA



Cerca de 40 professores e técnicos em educação da rede estadual e municipal de educação de Santana do Araguaia/PA participaram do primeiro módulo da formação do Projeto Afro-Pará, de 21 a 26 de maio de 2012. O projeto é desenvolvido pela Coordenadoria de Educação para Promoção da Igualdade Racial (Copir) da Secretaria de Estado de Educação (Seduc/PA).
Além da implementação da Lei 10.639/03, que torna obrigatório o ensino da História e Cultura da África e da Cultura Afro-brasileira no Ensino Fundamental e Médio, a capacitação busca também introduzir nas escolas o debate sobre toda e qualquer forma de intolerância e principalmente sobre o racismo, que devem ser combatidos por todos os atores do ambiente escolar.
Durante os dias de formação, ocorrida na escola estadual Jorceli Sestari, partindo das experiências dos educadores, foram trabalhadas as noções e conceitos que buscam desconstruir os estereótipos, preconceitos e visões distorcidas acerca do continente africano.
Para o professor Vinícius Darlan, orientador da formação em Santana do Araguaia, “é grande a empolgação dos professores para a elaboração e execução do projeto pedagógico próprio para o cumprimento da lei 10.639/03. Houve máximo envolvimento e empenho da equipe gestora e demais professores da escola ‘Jorceli Sestari’, que já programaram para o mês de setembro a execução do projeto de combate à intolerância que terá caráter interdisciplinar”.
Na escola, que tem como diretoras as professoras Katia Tatiane Franco, do Ensino Médio, e Elisângela Souza da Silva, do Ensino Fundamental Municipal, coordenadores pedagógicos os professores Ires Martins de Souza e Patrico Cirqueira da Silva, e coordenador do Conselho Escolar o professor Ricardo Alves da Cunha, foi apresentada a experiência inovadora da “Semana Integrada de Combate ao Racismo 2012” das Escolas Estaduais “Prof. Ademar de Vasconcelos” de Salvaterra, e “Gasparino Batista” de Soure através de fotos e filmagens que também contagiaram ainda mais aqueles profissionais.
Desta forma, Santana do Araguaia desponta no Estado do Pará como referência em ações educativas de combate ao racismo e de implementação da Lei 10.639.