Acesse a Plataforma MADAE

Acesse a Plataforma MADAE
Curso Afro-Pará

EXPOSIÇÃO "ÁFRICA: OLHARES CURIOSOS", Hilton Silva

sexta-feira, 12 de abril de 2013

ONU premia indígena brasileiro por trabalho de preservação ambiental na Amazônia

Almir Narayamoga
             Foto: Paiter.org              

O índio rondoniano Almir Narayamoga foi condecorado com o prêmio “Heróis da Floresta” durante o Fórum das Nações Unidas sobre Florestas na última quarta-feira (10). O líder do povo Paiter-Surui desenvolveu um projeto de preservação da Amazônia através de uma parceria com o Banco Mundial e o Google.

No Fórum, que está acontecendo em Istambul, na Turquia, o indígena explicou que seu povo foi reduzido de 5 mil para 292 pessoas desde que iniciou o contato com não indígenas, em 1968.

Quando se tornou líder da tribo, aos 17 anos, ele começou a pensar soluções não só para melhorar a estrutura de vida de seu povo, mas também para tentar acabar com o desmatamento na área.

“Um instrumento importante é o diálogo, a consciência, o respeito e o valor da cultura e da floresta. Não estou dizendo que a floresta tem que ser intocável, mas tem que ser usada com responsabilidade, com respeito e com estratégia”, disse.

Com a parceria do Banco Mundial, ele conseguiu instaurar um programa de desenvolvimento que beneficiasse a tribo. Já a parceria com o Governo brasileiro resultou em escolas e postos de saúde. E em conjunto com o Google Earth, Narayamoga fez com que as pessoas da tribo aprendessem a usar a tecnologia para ajudar a monitorar e mapear a floresta onde vivem.

O Prêmio “Heróis da Floresta” reconhece pessoas em todo o mundo que estão desenvolvendo suas próprias maneiras de sustentar, proteger e gerenciar as florestas.

Cerca de 600 pessoas vindas de 68 países participaram da competição, incluindo ativistas, cineastas e fotógrafos. Além do brasileiro, mais quatro pessoas — de Ruanda, Estados Unidos, Turquia e Tailândia — foram condecoradas com o prêmio.

Além de homenagear fotógrafos, o Secretariado do Fórum realizou uma parceria com o Festival de Cinema Jackson Hole Wildlife para honrar “o poder da narrativa” e os esforços criativos de cineastas que capturam visualmente o que as florestas significam para as pessoas – com curtas-metragens de cinco minutos ou menos. Assista abaixo os trailers com as fotos e trechos dos filmes:




“Ao assistir os filmes, eu era transportado para um mundo familiar e ainda estranho. Na minha imaginação, eu podia sentir os cheiros, sons, texturas, cores e formas de todas as coisas vivas. Apesar de vê-las através de uma tela de computador, eu senti que eu pertencia, era parte de mim e eu era parte dela”, disse Chaim Litewski, Chefe da Seção de Televisão da ONU.

Fonte: PNUMA

Nenhum comentário:

Postar um comentário