Acesse a Plataforma MADAE

Acesse a Plataforma MADAE
Curso Afro-Pará

EXPOSIÇÃO "ÁFRICA: OLHARES CURIOSOS", Hilton Silva

segunda-feira, 11 de abril de 2016

Seduc intensificará reflexões étnicos-raciais nas escolas da rede estadual de ensino.


A Secretaria de Estado de Educação (Seduc), através da Coordenadoria de Educação para a Promoção da Igualdade Racial (Copir) irá intensificar nas escolas da rede estadual de ensino, neste ano letivo de 2016, as ações que visem a reflexão étnico-racial dentro do currículo escolar. Para isso a Copir promoveu na manhã desta quarta-feira (06) uma webconferência sobre a temática "Relações Étnicos Raciais e Educação" .
Segundo a coordenador a da Copir, Creusa Santos, o objetivo desta coordenação é superar as práticas discriminatórias étnico-raciais no ambiente escolar, investindo na formação dos professores e professoras da educação básica e na elaboração de materiais didáticos que levem a reflexão sobre as práticas pedagógicas na preparação para o exercício pleno da cidadania, considerando a pluralidade étnico-racial brasileira.
Em sua palestra a professora destacou as orientações contidas na legislação que visam a melhora da relação étnico-racial dentro das escolas. Segundo a professora, os gestores da educação devem estar comprometidos com as orientações da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDBN, e do Plano de Implementação das Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação das Relações Étnicorraiciais e para o Ensino de História e Cultura Afrobrasileira e Africana.
"Intensificando estas ações e investindo em uma formação continuada dos professores podemos melhorar as relações etnicos-raciais nas escolas e investir em um futuro onde os conflitos causados pela intolerância sejam erradicados da sociedade brasileira, um futuro com igualdade racial", comentou Creusa Santos.
As ações que devem ser intensificadas neste ano letivo de 2016 e dentre as orientadas pela Copir está o ensino da cultura africana no conteúdo programático das escolas. Segundo a coordenadora, esta reflexão deverá ser intensificada no ensino de disciplinas como História e também em outras áreas do conhecimento como a matemática,química, física e biologia que deverão refletir para incluir as demandas étnicos-raciais em seus conteúdos.
" As reflexões sobre a história dos povos africanos, sobre os mitos, sobre as lendas, sobre a influência destes povos na construção da sociedade brasileira, das formas de preparar a alimentação e também na forma de construir o vestiário podem e devem trazer contribuições para o ensino das diversa disciplinas, sempre tendo que levar a aplicação do conhecimento adquirido para o cotidiano do aluno", explicou.
Creusa Santos também recomendou aos participantes da webconferência que os trabalhos didáticos não sejam realizados apenas de forma pontuais em datas comemorativas mas que sejam ações efetivas e permanentes nos calendários durante todo o percurso do ano letivo. "O objetivo é integrar este conteúdo no Projeto Político Pedagógico (PPP) das escolas e ao currículo escolar como um todo", explicou.
A Cor da Cultura - Os primeiros 131 kits foram distribuídos no ano de 2013. Em 2015, a Seduc distribuiu 60 kits para Uses . A Coordenadoria está viabilizando a distribuição para um número maior de escolas. Enquanto isso não acontece, a Copir disponibiliza vários kits que poderão ser distribuídos em forma de empréstimo para os professores que demonstrem interesse em desenvolver ações que estimulem a reflexão étnicos raciais em suas escolas.
A Cor da Cultura é um projeto educativo de valorização da cultura afro-brasileira, fruto de uma parceria entre o Canal Futura, a Petrobras, o Cidan - Centro de Informação e Documentação do Artista Negro, a TV Globo e a Seppir - Secretaria especial de políticas de promoção da igualdade racial.
O projeto teve seu início em 2004 e, desde então, tem realizado produtos audiovisuais, ações culturais e coletivas que visam práticas positivas, valorizando a história deste segmento sob um ponto de vista afirmativo.
O kit A Cor da Cultura é composto por 5 séries televisivas, 5 cadernos para o professor, com artigos, indicações de leituras, sugestões de atividades, metodologia; mini-glossário Memória das Palavras; CD musical Gonguê; jogo educativo Heróis de Todo Mundo e mapas da África, Diáspora Africana e Valores Civilizatórios Afro-brasileiros. Todo material pode ser consultado e baixado, livremente, no site do Projeto: http://www.acordacultura.org.br.

Texto: Márcio Flexa
Foto: Rai Pontes
Ascom/Seduc
PL/.

2 comentários:

  1. Professora Creusa,bom dia!
    A 1ª URE de Bragança, foi a primeira no Estado a implantar a Coordenação Ètnico-Racial, a trazer Técnicos do Copir para suas Jornadas Pedagógicas e a promover junto as Escolas Estaduais,do Município Ações de Combate ao Racismo e as Discriminações. Estamos necessitando na Coordenação de um Kit da Cor da Cultura, para que possamos dar apoio melhor aos nossos professores,alunos e as Comunidades Remanescentes Quilombolas que nos procuram pedindo orientações e material bibliográfico,bem como,as Secretarias dos Municípios de jurisdição da 1ª URE.
    Se for possível,recebermos um Kit,para o nosso acervo bibliográfico de apoio a professores,alunos e comunidades,ficariamos muito gratos.
    Atenciosamente.
    ANA MARIA GONÇALVES FERNAMNDES.
    Coordenação Ètnico-Racial
    1ª URE de Bragança.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Professora Ana,
      Trataremos destas demandas via email.
      Agradecemos por sua manifestação.
      atenciosamente,
      Equipe da COPIR

      Excluir