Acesse a Plataforma MADAE

Acesse a Plataforma MADAE
Curso Afro-Pará

EXPOSIÇÃO "ÁFRICA: OLHARES CURIOSOS", Hilton Silva

sexta-feira, 10 de maio de 2013

Escolas do Marajó se mobilizam contra o racismo

Alunos do Vasconcelos preparando-se para irem a Soure integrar
Alunos do Vasconcelos preparando-se para irem a Soure

Foram três dias intensos de muito debate e palestras com temas provocativos e polêmicos. A quarta edição da Semana Integrada de Combate ao Racismo acabou e deixou um gosto de quero mais pela grande mobilização que causou em Salvaterra e Soure, em torno do debate sobre o preconceito racial e suas conseqüências.

Amilton, Vinicio, Rosicleia e Jociel. No encerramento em Soure
Amilton, Vinicio, Rosicleia e Jociel. No encerramento em Soure

O grupo de profissionais envolvidos na ação estão verdadeiramente de parabéns. Desde os Diretores Jociel Goes(Escola Vasconcelos) e Rosicleia Brito(Escola Gasparino), passando pelos professores, com destaque para o Coordenador Geral do projeto o historiador e professor Vinicius Darlan(O Afro Macho como gosta de ser chamado carinhosamente) até os alunos que foram os grandes protagonistas da semana.
Nas duas escolas era visível a mudança no trato com esta questão ao momento que o envolvimento dos alunos e professores aumentava em cada momento e situação provocada pela metodologia de trabalho escolhida.
Um concurso de redação e a escolha dos mais belos negros do evento na cidade anteciparam a grande passeata em Soure com a participação de vaqueiros montando búfalo e cavalo do Marajó. Dois carros de som e a premiada banda de fanfarra da escola animou a manifestação.
Em Salvaterra, uma oficina de confecção de penteados formou fila para que os alunos pudessem ter a oportunidade de fazer os dreds e outros formatos extraídos da cultura afro. Os cabelos ficavam marcados com os detalhes no penteado remetendo as cores da bandeira da África. A responsável pela confecção dos penteados era uma integrante do movimento quilombola de Caldeirão. A jovem de 22 anos foi uma das que participou da formação ofertada pelo movimento para aprender a confeccionar e produzir estes penteados afro.
Funk do Vasconcelos apresentando-se em Soure
Funk do Vasconcelos apresentando-se em Soure

Mas, para os participantes do evento, a culminância foi o momento de maior empolgação. A manhã da quita feira, 09, foi marcada em Soure pela grande movimentação da escola Gasparino, com a escolha dos mais belos negros e negras e pela divulgação do concurso de poesias e a saída pelas ruas na grande caminhada de combate ao racismo .
Já em Salvaterra, a ultima palestra atraiu a atenção do público que lotou o auditório da escola Vasconcelos. O tema é a Corporeidade, sob a responsabilidade do palestrante Dário pedrosa, professor de Educação Física, que recebeu um ilustre convidado, Gilberto Coelho, ou simplesmente Bira. Um dos mais respeitados capoeiristas do estado.
O teatro deu o tom do protesto contra o racismo
O teatro deu o tom do protesto contra o racismo
Bira foi chamado para conversar com a platéia e falar um pouco sobre sua experiência de vida com a capoeira. Angoleiro que é, fez referência ao seu estilo e destacou a importância desta prática para o Brasil chegar onde está. Lembrou ensinamentos de seus mestres e mostrou a arte de tocar o berimbau. Ele tocou e cantou sob os olhares curiosos e atentos de todos os presentes. Foi um belo momento proporcionado pela semana de combate ao racismo em Salvaterra.
Após a palestra houve uma roda de capoeira na quadra da escola com os membros da ACANP, que por sinal fez uma bela exibição tanto em Salvaterra com o coordenador Aezio quanto em Soure com o coordenador Claudiano. Eles participaram das caminhadas.
Apresentação de uma banda de musica e a escolha dos mais belos negros do Vasconcelos encerrou as atividades no auditório da escola.
Salvaterra viu uma das maiores caminhadas populares depois do círio de N. Sa. da Conceição. Milhares de estudantes de todas as escolas juntaram-se na manifestação contra o racismo gritando palavras de ordem, ao som da banda de fanfarra da escola Gasparino e de um carro som que amplificava as falas e tocava músicas, em geral muito funk.
O búfalo e o cavalo do Marajó na manifestação
O búfalo e o cavalo do Marajó na manifestação

Para o Diretor da Escola Vasconcelos, Jociel Goes, a semana foi uma oportunidade muito importante de mostrar e provar que educação de qualidade se faz com o envolvimento direto da comunidade escolar no processo “Nossos alunos tem muita criatividade e sede de aprender. O que fazemos é criar situações para motivá-los ainda mais e eles estão nos dando uma resposta muito positiva”. Rosicleia Brito, Diretora do Gasparino, fez questão de salientar no encerramento, em sua escola, que cada um de nós precisa praticar com clareza esta mudança de hábito e a escola está dando um exemplo disso “Mas precisamos sair da escola e irmos pra dentro das famílias, das igrejas, nas ruas, multiplicando esta ideia”.
A multidão de alunos lotou as ruas de Salvaterra
A multidão de alunos lotou as ruas de Salvaterra

Vinicius Darlan era o mais entusiasmado participante do evento, pois estava vendo um filho das suas concepções crescer ainda mais e amadurecer promovendo a mudança no comportamento das pessoas e mexendo com os tabus da sociedade. “Não podemos parar por aqui. Ainda temos uma longa estrada para percorrer e precisamos fazer isso conscientes do nosso papel enquanto cidadão”.

Fonte: Site do Dário Pedrosa

Nenhum comentário:

Postar um comentário