Acesse a Plataforma MADAE

Acesse a Plataforma MADAE
Curso Afro-Pará

EXPOSIÇÃO "ÁFRICA: OLHARES CURIOSOS", Hilton Silva

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Alunos acusam professora da UEPA de racismo


Alunos da Universidade do Estado do Pará (Uepa) acusam a professora Daniela Cordovil, 34 anos, de ter cometido crime de racismo no início da noite desta sexta-feira (14), contra o vigilante Ruben Santos, responsável pelo portão central do Centro de Ciências Sociais e da Educação (CCSE) da universidade.
Em entrevista à reportagem do DOL, o estudante Paulo de Paula, 34 anos, matriculado no curso de Pedagogia da UEPA, afirmou que estava na frente do CCSE, quando ouviu a professora Daniela agredindo verbalmente o vigilante.
“Ela (Daniela Cordovil) chamou o trabalhador de macaco, burro e afirmou que ele era um palhaço vestido de vigilante. Eu vi esta cena e não tive como me conter. Chamei-a de racista e disse que ia chamar a polícia – como fiz. Ela chutou a minha perna e só não me agrediu mais porque as pessoas seguraram-na”, conta o estudante.
Alunos acusam professora da UEPA de racismo (Foto: Celso Rodrigues)
A professora Daniela Cordovil (foto) foi acusada por alunos da UEPA de racismo contra um vigilante da instituição. (Foto: Celso Rodrigues)
Ainda segundo relato do acadêmico de Pedagogia, a confusão teria iniciado quando a docente quis que duas pessoas entrassem na instituição para uma palestra, ação que não foi permitida pelo vigilante.
“O segurança não deixou as pessoas entrarem porque estava cumprindo ordens da direção do CCSE, que barrou a entrada de qualquer pessoa a partir das 18 horas na universidade. Ele (Ruben Santos) até falou que a professora poderia tentar que as pessoas entrassem pelo portão da Reitoria, mas ela continuou xingando”, afirma Paulo.

OUTRO LADO
Em entrevista ao jornal Diário do Pará, já na Central de Flagrantes da seccional de São Brás, a professora Daniela Cordovil falou que o motivo de toda a discussão teria sido a greve dos professores da UEPA e se defendeu da acusação do crime de racismo.
Toda confusão aconteceu por conta de uma greve que possui pleitos infundados e vem atrapalhando a universidade desde a última quarta. Dois professores que são referências na minha área de pesquisa vinham dar uma palestra de graça pro meu grupo e seriam impedidos de entrar porque a coordenação do centro aderiu à greve. Então eu me revoltei com o porteiro e o chamei de macaco, mas não com conotação racista. Seria um contracenso pra mim, que sou estudiosa das religiões afro, falar algo assim. O que eu disse é que ele era um macaco no sentido de fazer tudo o que a direção queria, com uma obediência cega”, alegou a pesquisadora em Antropologia, que declarou estar arrependida de ter se alterado com o porteiro, uma vez que ele estava só seguindo ordens. 

NA DELEGACIA
Após prestar depoimento e ter um Termo Circunstancial de Ocorrência (TCO) lavrado contra si, a professora foi liberada pela polícia e responderá em liberdade pelo crime de injúria.
O estudante Paulo de Paula, mais cinco testemunhas e o representante do movimento União do Negro pela Igualdade (UNEGRO), Vanderlei Pinheiro, querem que Daniela Cordovil responda pelo crime de racismo, que é inafiançável.
“Achamos sim que houve crime de racismo e ela deve ser punida exemplarmente, justamente por ser professora e ter sido cometido dentro de uma universidade, espaço que deveria formar cidadãos para combater este tipo de crime”, acredita o representante do movimento negro.
A delegada Socorro Bezerra, responsável pelo caso, afirmou à reportagem do DOL que o vigilante Ruben Santos declarou uma estória um pouco diferente da contada pelo estudantes e assumida pela professora.
“Ele (Ruben) afirmou que foi chamado de burro e de palhaço. Isto se enquadra em crime de injúria comum, nem injúria racial é. São vocês da imprensa e os estudantes que estão aqui que estão dizendo que ele foi chamado de macaco. Se ele acrescentar isso nós teremos que rever o processo”, explicou a delegada.

PROTESTO
Os estudantes que presenciaram o ocorrido e o membro do movimento UNEGRO prometem organizar um protesto a partir das 10 horas deste sábado (15), em frente ao CCSE-UEPA, localizado na travessa Djalma Dutra, no bairro do Telégrafo.
“Vamos fazer um protesto de repúdio a este ato de racismo dentro da UEPA. Também estamos programando uma nova manifestação para a quarta-feira (19), no prédio da Reitoria. Não queremos que isso fique impune”, declarou, indignado, o estudante Paulo de Paula.
O DOL tenta contato com a Universidade do Estado do Pará, para saber o posicionamento oficial da instituição sobre o ocorrido.

(Felipe Melo/DOL, com informações do repórter Eraldo Paulino)

Nenhum comentário:

Postar um comentário