Acesse a Plataforma MADAE

Acesse a Plataforma MADAE
Curso Afro-Pará

EXPOSIÇÃO "ÁFRICA: OLHARES CURIOSOS", Hilton Silva

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Chamada para participar do projeto “ARTISTAS DE TERREIRO”


    O Grupo de Estudos e Pesquisa “Rodas de Axé”, com apoio do Grupo de Estudos Afro-Amazônicos e da Casa Brasil África da UFPA, convida você, membro de Comunidades dos Povos Tradicionais de Terreiros da zona metropolitana de Belém e cidades vizinhas para participar do Projeto “Artistas de Terreiro”, e para produzir arte, sentidos e sentimentos afro-amazônicos que falem da cosmologia dos Orixás, Inkisses, Voduns, Cabocos, Espíritos e Encantados, e dos valores preservados pelas tradições afro-brasileiras na Amazônia.

Critérios:

- Ser de comunidade de terreiro iniciado ou não, e trazer uma declaração de
pertencimento de comunidade de terreiro (de preferência assinada pelo/pai ou
pela mãe de santo) 
- Apresentar um Pequeno Porta-folio (de 3 a 5 imagens/ textos/ Clipping ou
Catálogos sobre a sua produção artística)
- Assinar a carta de aceite declarando que conhece e aceita participar do
projeto "Artistas de terreiro"

Programação:

- 15/02/2013 – Reunião de Preparação: Apresentação do Projeto e Seminário:
Arte e estética na brasilidade afro-amazônica
- 04/03 a 06/03 - Montagem da exposição na Galeria Teodoro Braga
- 07/03/2013 – Abertura da Exposição na Galeria Theodoro Braga
- 14, 21 e 22/03 – “Rodas de conversa na galeria”
- 01/04 a 02/04 - Desmontagem

Contatos: rodadeaxe@gmail.com
Telefone: (91) 3201-8365
Local: Laboratório de Antropologia Arthur Napoleão Figueiredo – UFPA

1ª Atividade:

Laboratório de discussão e produção em artes visuais no dia 15 de fevereiro das 9 as 17h no Laboratório de Antropologia da UFPA, Campus José da Silveira no
Guamá , Belém/PA.
Apresentação do Projeto “Nós de Aruanda – Artistas de terreiro”, de exposição na Galeria Theodoro Braga das produções artísticas e produções culturais de pessoas que estejam ligadas às comunidades de terreiro.
A proposta é fazer um laboratório de discussão e produção em artes visuais e articulação de artistas de terreiro, que serão expostas em galeria de arte no mês de março/2013, para promover e divulgar o simbolismo imagético produzido dentro dos terreiros. Vamos fazer uma exposição poética afro-brasileira com enfoque na cosmologia religiosa em comemoração pela passagem do dia 18 de março e em homenagem à Mãe Doca. No passado homens e mulheres, como Mãe Doca, que no início do século XX, lutaram para poder realizar seus cultos e manter viva a memória de orixás, inkisses, voduns, espíritos, encantados e  entidades. E foi Mãe Doca, que em Belém, realizou o primeiro toque e por isso foi presa, e por não ter abdicado da sua fé, tornou-se símbolo do dia de hoje, 18 de março, que celebra os cultos e religiões afro-brasileiras existentes no Pará. (obs: o laboratório acontecerá de manhã e de tarde e teremos almoço ao preço de 3 reais no restaurante universitário)

Exposição “Nós de Aruanda – artistas de terreiro”

Resumo: Exposição coletiva com curadoria coletiva na Galeria TheodoroBraga do CENTUR. Publicação de catálogo virtual disponível para download pela internet. Articulação entre pesquisadores de religiões Afro-amazônicas com artistas pertencentes à comunidades de povos tradicionais de terreiros.
“Aruanda”é uma palavra que permanece no imaginário afro-brasileiro como uma espécie de Paraíso. A palavra habita cantigas de brincadeiras de roda, em jogos de capoeira, em rezas e cantos religiosos, em manifestações de cultura popular e outras situações em que os povos negros têm importância na
construção da cosmologia do lugar e seu povo.
”Nós de Aruanda – artistas de terreiro” brinca com os sentidos que essa expressão pode ter: de quem, ou de quais nós, nós estamos falando? Talvez o que queiramos seja nos debruçar sobre esses enlaces emaranhados desses nós que, ao fim, significa a busca por conhecer esse rico universo numa perspectiva diferenciada: a pesquisa e o estudo como ferramentas para conhecer,descobrir, divulgar e defender a riqueza das culturas e religiões de matriz africana e suas
correlações com as muitas Áfricas que inventamos no Brasil.
Convidamos a todos para juntos tocarem os tambores de Aruanda, de Ilu Ayê, dos Quilombos, das Comunidades Tradicionais de Terreiros, das Capoeiras, do Jongo, do Lundu, do Carimbo e do Caxambu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário