Acesse a Plataforma MADAE

Acesse a Plataforma MADAE
Curso Afro-Pará

EXPOSIÇÃO "ÁFRICA: OLHARES CURIOSOS", Hilton Silva

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Incentivo à igualdade premia duas escolas

NO PARÁ: Projetos envolvem alunos de Tracuateua e da Escola de Aplicação da UFPA

Reforço à cultura afro-brasileira é uma das iniciativas para estimular autoestimaReforço à cultura afro-brasileira é uma das iniciativas para estimular autoestima
O Pará teve duas escolas públicas premiadas a partir de propostas de incentivo à igualdade racial no ambiente escolar, através do edital  “Gestão Escolar para Equidade - Juventude Negra”. A Escola Municipal de Ensino Fundamental e Médio Odilon Holanda Pontes, no município de Tracuateua, nordeste do Estado, em parceria com a Associação Remanescentes Quilombolas do Cigano; assim como a Escola de Aplicação da Universidade Federal do Pará tiveram seus projetos aprovados e deverão desenvolvê-los ao longo deste ano. Ambas terão até R$ 30 mil de financiamento e apoio técnico para alcançar seus objetivos.
Distante cerca de 183 km de Belém, o município de Tracuateua, tem oito comunidades quilombolas. A escola Odilon Holanda Pontes atende crianças e jovens remanescentes de uma dessas comunidades e já desenvolvia atividades voltadas à preservação da cultura afro. A professora Keila Saldanha, coordenadora do projeto aprovado, diz que atualmente a escola está em fase de sincronização do cronograma do projeto ao da escola, cuja as aulas começam no início do próximo mês.
A professora é da própria comunidade quilombola e explica o que a encorajou a inscrever o projeto. “Aqui no município, a presença negra é muito forte, então já desenvolvíamos várias atividades voltadas para a história, cultura e identidade negra. Mesmo assim, percebi que os nossos jovens tinham dificuldade de se aceitarem como negros quilombolas. Via que as meninas negras não costumavam se olhar muito no espelho. Isso tudo me preocupou muito. Foi quando chegou a oportunidade do edital, que caiu em cima justamente do que a gente já trabalhava aqui na escola. Não pensei duas vezes e fiz o projeto”, ressaltou Keila Saldanha.

Fonte: Jornal O Libera

Nenhum comentário:

Postar um comentário